A mula que não queria rezar

O Carlos já estava se sentindo o máximo com a história de matar a catequese e foi aí que me caiu no colo outra história que coloca a dele no bolso, ele não foi o primeiro na família…
Não sei se o numero três é mágico, mas tem a ver com as aventuras ligadas a catequese na família. Foi lá pelo ano de 1909 (três vezes três), os três filhos mais velhos do Giovanni Marco já estavam na idade de frequentar a catequese, nesta época já moravam na costa do Portela no caminho de Linha Base. A moradia ficava uns três quilômetros da matriz, uma distância um pouco grande para ser percorrida a pé pelas crianças, daí a opção de ir à cavalo, ou melhor à mula. A “mussa vecchia” era o meio de transporte dos irmãos, Beppi, Ângelo e Toni. Logo após o meio dia os três montavam a “mussa” e rumavam para a igreja para as aulas de catequese.

A “mula velha” era um animal extremamente pacífico e tranquilo, cobria o trajeto em aproximadamente quarenta minutos, ou seja, um pouco mais devagar do que um adulto anda a pé. A viagem era muito tranquila e permitia a contemplação da natureza no decorrer da mesma. Depois de ir e vir muitas vezes, o caminho já decorado, começava a perder a graça e a catequese, bem a catequese era uma obrigação, um compromisso, e apesar da educação religiosa e rigorosa, às vezes batia aquela vontade travessa de fazer algo diferente aos domingos à tarde. Achar uma desculpa plausível e razoável para faltar a catequese passou a ser uma tarefa dos meninos.

Licéia, Lucidio e Léia montados na tostada do tio Marcelino, um arranjo comum desde a época do meu avô, andar três ou mais crianças no cavalo. No finalzinho do vídeo eu e a Licéia no alazão do tio Aquiles.

Licéia, Lucidio e Léia montados na tostada do tio Marcelino, um arranjo comum desde a época do meu avô, andar três ou mais crianças no cavalo. No finalzinho do vídeo eu e a Licéia no alazão do tio Aquiles.


Não demorou muito, na observação do comportamento da mula eles descobriram que ela não gostava de ser contrariada, como por exemplo, ser acelerada, qualquer forma de instigação para que andasse mais de pressa ela fazia o contrário, parava. Empacava, e a partir disso não se mexia mais e se batessem nela, baixava a cabeça, se ajoelhava com as patas da frente e derrubava a gurizada no chão. O método, para matar a catequese, passou a ser: apertar os calcanhares na barriga dela para que ela parasse e a partir daí continuar tentando fazer ela andar até que ela decidisse derrubar o grupo, preferencialmente num lugar com barro. Sujos não tinham outra roupa para vestir aí não poderiam ir para a catequese, culpa da mula que tinha a mania de se ajoelhar.