Genealogia

Os dados a seguir foram coletados por Luiz Trentin e Serafim Graciano Trentin no final dos anos 90.

Preâmbulo

Dados obtidos por tradição de Bortolo Felício Trentin, Maria Luiza Rossato Trentin, ao vivo de Joana Trentin Stefanello e coletados do livreto de Diomedes Rossato e ainda subsídios da Enciclopédia Larousse.

Iniciamos este modesto histórico partindo do ano de 1845, quando Trento, na Província de Trentino, pertencia a Áustria, embora mantivesse o idioma itálico, mais precisamente o dialético Trentino.

Em 1860, numa guerra entre a Prússia e a Áustria, esta é derrotada e em consequencia a Província de Trento foi unificada à República Italiana, isto no ano de 1861. Nesta época floresciam a agricultura, comércio e indústria.

 

Família Trentin

Nesta região em 1845 nasceu Bortolo Trentin. Desde seus tenros anos dedicava-se a tecelagem, profissão que adotou quando adulto, exercendo-a como ambulante e autônomo, passando de uma localidade para outra, com aparelhagem bastante rústica hoje, porém boa para a época, permitindo aos que dela se serviam vida assaz confortável.

Ao completar 25 anos já na Província de Pádua onde exercia a profissão de tecelão (telaro), contraiu núpcias com Joana Vancin. Desta união resultou o nascimento de 3 filhos: Serafim, Maria e Pierina.

Bortolo faleceu jovem deixando a viúva e as três crianças que, por morarem em Pádua, longe dos parentes paternos, devido a dificuldade de comunicação da época e por ter, posteriormente, Joana ter contraído núpcias com Jorge Prendin, não houve mais noticias dos ascendentes paternos da Família Trentin. Desta nova união resultou o nascimento de Antonio e Constante, nascidos em Pádua.

Visto a família Prendin depender dos senhorios Serafim Trentin, nascido em 17 de julho de 1872 e integrado a Família Prendin após o casamento da mãe, desde cedo trabalhava para os senhores no cultivo e transporte de produtos e forragens.

A Família Trentin-Prendin, a convite do governo brasileiro, aceitou emigrar para o Brasil, a fim de tentarem nova vida. Na Itália enfrentavam sérias dificuldades assim como o país, e as terras estavam concentradas nas mãos dos senhorios.

Visto o jovem Serafim contar com 18 anos, por força de Lei, o governo italiano não podia autorizar sua saída para novas terras. Para poder emigrar junto com a Família Prendin, da qual fazia parte, Serafim teve que se valer do seguinte expediente: um senhor de idade, solteiro e desejoso em vir ao Brasil, legalizou o jovem Serafim como seu arrimo, podendo com isto acompanhar sua mãe e os irmãos, junto ao pai adotivo e vir ao Brasil, provido de documentação legal. Deste senhor, após a chegada ao destino, se perdeu todo e qualquer relacionamento.

Chegados via a colônia de emigração, Silveira Martins, foram designados para Nova Palma, município de Júlio de Castilhos. Ali iniciaram a nova vida o campo da agricultura.

Serafim contraiu núpcias em 1896 com Rosa Librelotto;

Maria consorciou-se com Giacomo Barichelo;

Pierina uniu-se em matrimônio com Francisco Giovelli. Todos agricultores, adquirindo suas próprias terras.

Constante Prendin casado com Ilda Castelacci exerceu a profissão de marceneiro, construindo os mais belos e suntuosos altares das igrejas que na região se construíam na época. Faleceu sem deixar descendência.

Antonio Prendin faleceu jovem e solteiro, em desastre com cavalo de montaria.

 

Serafim Trentin

Após o casamento, passou a residirem Linha Base, onde adquiriu terras para o cultivo.

Na época, esta localidade era habitada por uma mescla de índios com escravos, infensos aos emigrantes. Serafim, porém, imbuído de espírito pacífico e amante à caça e a pesca, soube conquista-los, ajudando-os nas dificuldades e participando com eles no esporte da caça e pesca, captando com isto sua simpatia. Nesta tarefa foi grandemente auxiliado pela esposa Rosa que, como parteira, se dedicava ao atendimento das parturientes que a todas atendia com despreendimento, amor e caridade, conseguindo reverter a situação tornando-os amigos reconhecidos.

Do casal Serafim e Rosa nasceram 11 filhos:

Bortolo Felício – casado com Maria Luiza Rossato, a respeito do qual faremos dissertação a parte.

Mariana – casada com João Scapin, do comercio e agricultor, residiuem Estrela Velha, município de Sobradinho.

Joana – casada com Valentim Stefanello, do comércio, agricultor e fabricante de aguardente, residiuem Linha Base e, em 1940 fixou sua residência em Jaboticaba, Palmeira das Missões, sendo um dos primeiros migrantes de origem a se estabelecer neste local. Ali, juntamente com Bortolo Felício Trentin adquiriram uma área de terras que, por este foi dividida em lotes e chácaras, reservando a parte que se destinaria à praça e construção da igreja. Posteriormente, Valentim adquiriu a parte de Bortolo, assumindo a obrigação em escriturar a área que tinham doado para a construção da praça e igreja, o que religiosamente cumpriu.

Do casal Joana e Valentim nasceram 4 filhos e 4 filhas. Joana hoje (1990), com mais de 90 anos mantém boa saúde e lucidez perfeitas.

Antonio – casado com Elizabet Bellé, deste faremos breve relato a parte.

Carolina – casada com Olivo Cocco, agricultor residenteem Novo Paraíso, município de Nova Palma.

Maria – casada com Pedro Uliana, agricultor, residenteem Novo Paraíso, município de Nova Palma.

Jorge – casado com Ângela Piovesan, agricultor, vitivinicultor e apicultor, residenteem Linha Base, Nova Palma. Praticava como lazer a caça e a pesca.

Ângela – casada com Garibaldi Bagiotto, residiu em Felisberta, distrito de Pinhal Grande, município de Julio de Castilhos; tambémem Nova Palma e finalmente em Jaboticaba.

Elisa – casada com Antonio Gardin, residenteem Novo Paraíso e Nova Palma, cidade.

João – casado com Ângela Uliana, residiuem Linha Base e em Frederico Westphalen, agricultor.

Fernande – casado com Helena Garlet, do transporte de passageiros e mecânico. Residiuem Nova Palma, Júlio de Castilhos e Tupanciretã.

 

Família Rossato

Giacomo Rossato, filho de Domenico Rossato e Giulia Zoltera, nascido em Muzalon, Província de Vicenza, em 16 de abril de 1819, falecidoem Nova Palma– RS em 12 de junho de 1900, casado com Lucia Miotti, tiveram 5 filhos, todos homens, sendo que 4 já vieram casados da Itália. Todos se estabeleceramem Nova Palma.

Primo – casado com Giustina Ghiotto, com 11 filhos.

Domenico – casado com Lucia Rigon, 9 filhos.

Luigi – casado com Carolina Faccin, 9 filhos. Este será alvo de especial atenção.

Marcos – casado com Stella Meneguzzo, e em segundas núpcias com Maria Binotto, tiveram 9 filhos.

Benedeto – casado com Anne Zamberlan, 10 filhos.

 

Luigi (Luiz) e Carolina, estabelecidos na várzea do Rio Soturno, barra do Arroio Tigre dedicou-se de início a agricultura e apósem Nova Palma montou o primeiro moinho colonial, movido pelas águas do Arroio Portela. Teve os seguintes filhos:

Ângela – nascida na Itália, casou-se com João Papis, residenteem Marcelino Ramos.

Valentim – casado com Ângela Turra, residente em Tuparendi.

Josefina – casada com José Bonaldo, residente em Tapera.

Rosa – casada com Fioravante Somavilla, faleceu nova deixando uma filha, residenteem Pinhal Grande.

Antonio – casado com Josefina Peripolli, residenteem Nova Palma.

Bortolo – casado com Santa Peripolli, residenteem Nova Palma.

Santa Maria (Santina) – casada com João Casarin, residiuem Nova Palma. Em 1943 veio a Jaboticaba, faleceu com 93 anos. Exercia a profissão de parteira desde nova. Teve 10 filhos, sendo 2 religiosas, Lídia e Aurélia, e um padre, Albino.

Alexandre – casado com Genoveva Rigon, residenteem Nova Palma.

Maria Luiza – casada com Bortolo Felício Trentin.

 

Família Trentin-Rossato

Bortolo Felício Trentin, nascido me 19 de maio de 1897, falecido em 02 de outubro de 1973, casado com Maria Luiza Rossato, nascida em 26 de janeiro de 1900 e falecida em 04 de maio de 1988.

Este casal gerou 12 filhos e adotou uma menina, sem obedecer os trâmites legais, porém foi considerada pelos adotantes como filha e os filhos a tem até hoje como irmã.

Ao iniciar sua vida independente, dedicou-se a agricultura e ao transporte, na época feito por carroça. Perfazia os trajetos de Nova Palma a Júlio de Castilhos, Santa Maria, Tupanciretã, Restinga Seca e Três Vendas, além de outras localidades. Passou a seguir a ser grande produtor de vinho de primeira qualidade, conseguindo com o fruto de sua dedicação e capricho, o 10 Prêmio-Medalha de Ouro, na Exposição Estadual de Julio de Castilhos, comprovante que se encontra em poder do filho Luiz e Grande Prêmio-Medalha de Ouro, na Exposição Estadual de Tupanciretã, o comprovante está em mãos do filho Serafim G.

Destacou-se sempre como líder comunitário atuando com evidência na construção da Igreja Matriz de Nova Palma, Capela de Linha Base e Grupo Escolar desta comunidade; construção do Hospital Nossa Senhora da Piedade, de Nova Palma do qual, pela renúncia da diretoria motivada por sérias questões, apesar de morarem Linha Base, por maioria absoluta, foi nomeado Interventor, cargo que desempenhou até a normalização da ocorrência.

Exerceu a profissão de agrônomo amador que, apesar de não possuir diploma algum, visto que a arte de ler, escrever e calcular a adquiriu por ocasião em que prestava o serviço militar no Batalhão Ferroviário de Santo Ângelo, exercendo-a amigavelmente entre vizinhos. Nas querelas de terras, com demanda na justiça, para o distrito de Nova Palma, os juízes de Julio de Castilhos o nomeavam para a delimitação das áreas.

Idealista sempre procurando o bem estar de todos tentou,em Nova Palma, a organização de uma cooperativa Vitivinícola, a qual esbarrou no excesso de burocracia existente na época não conseguindo sua efetivação.

Sonhando com indústria, empreendeu várias viagens a Palmeira das Missões explorando diversas regiões para conseguir localizar recursos hídricos compatíveis com o que mais ambicionava: indústria.

Enamorou-se de formosa queda d’água, embora de lajeado modesto mas que pelo conhecimento que dispunha, calculou, superficialmente, ofereceria queda livre superior a30 metrosque canalizada proporcionaria energia suficiente para o que se propunha.

Como já existisse moinho colonial de pedra, dali partiria para ampliação. Vendo, após melhores cálculos que para tanto os recursos que possuía eram insuficientes, apelou para o irmão Antonio que, após verificar a viabilidade da obra, acordou participar da mesma.

Em 1945 adquiriram em conjunto a área de terras na qual se localizavam as atraentes cachoeiras do Lajeado Jaboticaba que, já com os comprovados40 metrosde desnível a prumo,os impulsionaram na instalação de usina hidroelétrica que veio a movimentar moinho, serraria e carpintaria, com fornecimento de luz elétrica ao povoado, pioneira no Município de Palmeira das Missões.

As duas famílias, compostas de 27 pessoas, trabalhavam em conjunto, sistema cooperativo.

Para inicio enfrentaram sérias dificuldades, a região era pobre, habitada por famílias de reduzidíssimo poder aquisitivo (mistura de lusos, espanhóis, índios e africanos) haja visto que, quase todo serviço prestado, era ressarcido pelo próprio produto. Estes porém mantinham vivência muito boa e pacífica em sua simplicidade.

Demonstrando seu espírito de empreendimento e liderança, além de traçar o perfil e participar da doação de área destinada à praça e igreja de Jaboticaba, neste local, agora com o irmão Antonio, não se limitaram ao proveito próprio, juntos doaram área de terras para a construção da praça, Capela e escola. Novamente Bortolo delineou, ainda que rudimentarmente, a área destinada à futura povoação: Vila Trentin, distrito de Palmeira das Missões, hoje pertencente ao novo município de Jaboticaba.

Herdeiro legítimo do espírito pacífico e caritativo dos pais, Serafim e Rosa, neste ambiente pobre em que veio a se estabelecer, mantinha sempre em sua casa, além do soro antiofídico, farmácia homeopática com a qual conseguia curar ou amenizar, gratuitamente, as moléstias e angústias dos vizinhos. Arrumador de ossos quebrados, sendo, até muitas vezes procurado por médicos de Palmeira das Missões, que lhe traziam seus pacientes, vítimas de fraturas.

Dotado de profundo espírito religioso, dedicou todo o seu carinho a Gruta Nossa Senhora de Lourdes, belíssimo lugar para visitação e turismo, para o que contou com o entusiasmo de todos os moradores da Vila e vizinhança. Após sua morte a esposa, Maria Luiza, escriturou a área à Mitra Diocesana para, cumprindo o desejo do esposo, consagrar o local como centro de devoção à Virgem Mãe de nosso Salvador Jesus.

Do casal: Bortolo Felício e Maria Luiza nasceram 12 filhos, como já foi enunciado.

Gervásio – nascido em 19 de junho de 1921, casado com Adelina Cancian, com 7 filhos e 5 filhas. Resideem Linha Santa Rosa, distrito de Boa Vista, Palmeira das Missões. Agricultor.

Serafim Graciano – nascido em 15 de setembro de 1923, casado com Orfila Luiza Fassini, com 5 filhos, um acidentado em desastre automobilístico (este deixou a esposa e 4 filhos). Residiuem Seberi. Servidor público municipal.

Rosa – nascida em 04 de junho de 1925, casada com Ângelo Chierentin, agricultor, com 6 filhos e 3 filhas, resideem Distrito Trentin.

Baselides Carolina – nascida em 24 de novembro de 1926, casada com Lino Piovesan, agricultor, com 6 filhos e 2 filhas, resideem Distrito Trentin.

Luiz – casado com Irene Schiavinatto, dos quais trataremos em separado.

Ercilia – nascida em 24 de dezembro de 1929, casada com José Garibaldi, agricultor, com 6 filhos e 4 filhas, resideem Frederico Westphalen.

Cassildes – nascida em 19 de outubro de 1931, casada com Osvaldo Orestes Fassini, agricultor, com 7 filhos e 1 filha, resideem Distrito Trentin.

Iria Josefina – nascida em 04 de abril de 1933, casada com Valdomiro Pigatto Santi, agricultor, com 4 filhos e 4 filhas, resideem Distrito Trentin.

Argimiro – nascido em 28 de junho de 1935, marceneiro, casado com Maria Dalbianco, com 5 filhos e 4 filhas, resideem Distrito Trentin.

Tarcila – nascida em 01 de agosto de 1939, casada com José Oliveira, carpinteiro, com 6 filhas, resideem Distrito Trentin.

Donatila – nascida em 30 de julho de 1941, casada com Hilário Sponchiado, professor estadual, com 4 filhos e 1 filha, reside em Castelinho, Frederico Westphalen.

Maria Ludmila – nascida em 23 de setembro de 1945, casada com Marcelino Dalbianco, agricultor, com 1 filho e 3 filhas, 1 delas religiosa, Zita Maria, resideem Distrito Trentin.

Rosalia Gênero – adotiva, casada com Vitelio Casarin, agricultor, com 2 filhos e 7 filhas, resideem Santo Antonio do Sudeste – PR.

 

80 ideias sobre “Genealogia

  1. Parabéns por esse trabalho, faço parte da família Trentin Neto de Luis e Irene.

  2. Cara meu sobrenome é Trintin mas o certo é Trentin,o pai do meu avô era italiano ‘-‘ e eu tenho herança na Itália

  3. sou filha de José Cavallin e ANGELA TRENTIN Cavallin, avos materno José Pacifico Trentin e Catarina Boroni ambos vindos da italia. Sou sobrinha neta de Nicodemo Trentin, com o qual originou o filme O QUATRILHO, baseado na sua historia

  4. Ja dito, su neta de italianos e minha mãe filha legitima de JOSE PACICO TRENTIN, e CATARINA BORONI imigrantes italianos.

  5. Meus bisa materno:Francesco trentin e Maria Diperon, tios avos ques vieram da italia: Nicodemo Domenico e Maximiliano Trentin sendo que falta o nome de um deles, vieram em 4 irmãos mais a bisa maria. Eu tenho fotos xerox dos 4 irmãos e a bisa, juntos.

  6. Parabéns pelo brilhante trabalho e pela generosidade em dividir conosco as suas descobertas. Sou Filha de Fernando(Fernande) Trentin e neta de Serafim Trentin e Rosa.

  7. Rosa! Estamos tentando reunir um pouco da história da família. Na verdade começamos eu e a Silvia Piovesan, minha prima de Nova Palma, escrever a história de meu avô Antonio Piovesan “Toni Torccio”, mas como meu avô materno era o Bortolo Trentin, teu tio, e eu convivi com ele e também com teus avós, meus bisavós Serafim e Rosa, algumas histórias são comuns, por isso abri este blog para ir reunindo as histórias da família Trentin. Conheci tua família em 1970 quando fui a Nova Palma para a ordenação do padre Reinaldo Piovesan, na volta fiquei uns dias em Julio de Castilhos e visitei o Tio Arlindo Belé, o tio Eugênio Piovesan e fui na tua casa. Um pouco da história está no link “O champanhe do tio Jorge” Com certeza tens muitas histórias lindas para contar, se quiseres um cadastro de usuário para escrever no blog posso criar e te enviar ou podes me enviar por mail que eu posto. Poderias começar com a história da tua família. Siga os links do texto e navegue pelos blogs, procuramos resgatar histórias de vida que vão muito além da genealogia, e são muito mais divertidas. Obrigado por participar desta aventura!

  8. Olá Catarina, encontrei seu relato justamente ao procurar a Genealogia de, Jose Pacifico Trentin e Catarina Boroni, que são meus Bisavós, meus Avós são; Luciano Trentin e Joana (Lassareti) Trentin, pais de Inês Trentin Davi, eu estou procurando o local de registros; nascimentos /Casamento e óbito de meus avós e bisavós, para levantar as documentações para dupla cidadania.
    você poderia me encaminhar um email com as fotos que vc tem?
    meu email; adilsondavi@hotmail.com
    estou a disposição.
    Obrigado

  9. Primeiro, aviso para quem precisar dados de José Pacifico Trentin(óbito) deve entrar direto com cartório civil de Tres Coroas e/ou Taquara,rs. *05 03 1877 + 08 05 1939, poderá solicitar certidão via internet. , Segundo, relação dos filhos de Catarina Boroni e José Pácifico Trentin: Francisco Trentin / Antonio Trentin / Luciano Trentin / Luiz Trentin /Angela Trentin / Ofemia Trentin / Ida Trentin / Maria Trentin / Amelia Trentin / Judit Trentin / Claudina Trentin. – Obs: não obtive informação do nome de um dos filhos. Quanto ao primeiro item o Antonio Trentin possue fotos que mensiono ter, eu as passei pra ele

  10. Boa tarde.
    Faço parte da “família Trentin” por ser bisneta de José Pacífico Trentin e Catarina Boroni.
    Sou neta de Angela Trentin casada com José Cavallin que tiveram 10 (dez) filhos sendo meu pai João Batista Cavallin Neto.

  11. Adilson Davi tem solicitado como procurar documentos para dupla cidadania, pois bem, a Óptica Sempre Viva, localizada em Parobé, rs é de propriedade do bisneto de José Pacifico Trentin, conhecido como Pedrinho Trentin. Ele esteve na Itália e levantou dados: os documentos referentes à família de José Pacifico Trentin e os tem em seu poder. Pesquise face da Óptica e obterás endereço e telefone para contato com ele. Olá Liceu, creio ser interessante para tua história estes documentos em tuas mãos. Abraço

  12. Soy de los Trentin de Argentina. Saben donde puedo encontrar un contacto para obtener datos de la familia que vino hacia esta parte de Sudamerica?

  13. Bom dia caros familiares. Sou neto de Luiz Trentin e Irene Schiavinatto Trentin, que infelizmente não estão mais entre nós, estamos hoje morando no Mato Grosso, mas de tempo em tempo vamos ao RGS visitar os parentes. Saudações a todos !

  14. Pesquisa otima, sempre tive essa curiosidade dos meus Antepassados. FAMILIA TRENTIN 🙂

  15. Liceo, tens um estilo literário delicioso, e gostoso de ler, porém este já não é meu caso. Possuo inumeras fotografias e anotações, vou busca-las (estão no RGS) e moro no Paraná, e digitaliza-las, tentarei seguir a sua sugestão e escrever um pouco da historia da familia que se formou aqui no Brasil através da uniao de Serafim e Rosa. Depois envio a você para a correção, e formatação, se estiveres disposto a me ajudar. Nao fiques com ciumes, mas o meu pai falava que o único neto que o Vô Serafim pegou no colo,foi o meu irmão mais velho Alcir. Realmente o xodó do Vô era você segundo o meu Pai. Não conheci, meus avós, sou a penultima da familia, e tenho o nome de Rosa em homenagem a minha Avó. Até breve

  16. Rosa, me alegra muito que queiras escrever a nossa história. Escrever a história é muito mais do que simplesmente relatar fatos, mas é deixar para as gerações futuras pistas de como nos constituímos como sujeitos. Eu acredito que só tem futuro aquele que conhece seu passado. Confesso que sempre gostei de brincar de bisneto privilegiado, mas quando conheci o Nono ele não deixava ninguém tocar nele, muito menos ele pegar alguém no colo. Uma vez ele precisou de injeção, acho que de penicilina, e ele somente permitiu que meu pai fizesse a injeção nele, mas sem tocar na pele dele.

  17. Adorei saber um pouco sobre minha origem, meu sobre nome veio dos meus avós paternos, mas eu não tinha tanto conhecimento hoje posso dizer que já sei um pouquinho , Me chamo Andressa Trentim tenho 23 anos e moro em Pouso Alegre- MG.

  18. Sou Virginia Emidia Trentin nascida em Porto Xavier Rs. Filha de Luiz Djalmo Trentin,e Elsa Peruffo Trentin, neta de Zelindo Trentin e Virginia Florio Trentin de Santiago. Meu pai Luiz D. Trentin teve cinco irmãos e três irmãs Temos parentes em Santo angelo e outros lugares. Desejo conhecer as minhas raizas.

  19. Virginia! Meu bisavô Serafim veio só com a mãe, já era órfão, por isso ficou isolado dos outros Trentin que vieram para o Brasil. Dos primos dele, que também vieram, a maioria ficou na região de Taquara-RS e Rolante-RS, outros Trentin ficaram na região de Caxias-RS. E depois se espalharam pelo Rio Grande do Sul e outros estados.

  20. Olá, faço parte dos Trentin que estavam em Caxias, se você souber o nome de alguem que veio para Caxias por favor me avisa pois estou procurando saber sobre meus descendentes. O nome do meu avô era Domingos Trentin. Abraço…

  21. Sei também que o filme do quatrilho foi inspirado em uma parente minha,,,,parece que o nome dela era Pierina….

  22. Eu conheço puco das outras famílias, mas deixo aberto para que todos possam usar este espaço para se encontrar.

  23. Oi pessoal adorei saber um pouco mais sobre o passado da minha familia.
    Quem quiser me add no face
    Ramon luiz trentin

  24. Oi pessoal, eu gostei muito de saber a história da família
    quem quiser me adicionar no facebook: Lucas Henrique Trentin (L Cashen Trentin)

  25. Sou tataraneto de Maximiliano Trentin. Bacana encontrar tanta informação em um único blog. Parabéns

  26. OLA SOU LUIZ TRENTIN FILHO DE ANTONIO TRENTIN NETO DE FRANCISCO TRENTIN BISNETO DE JOSE PACIFICO TRENTIN E CATARINA BARONE

  27. Meu sobrenome é Trintin, porque meu avô registrou uns filhos Trentin e outros Trintin, foram onze filhos e ele ia registrar bêbado, segundo contam, mas eu o amava.

  28. meu nome e josé Ângelo trintim, sou filho de Ângelo vandermuri trentim em disse:

    sou muito feliz por ser um trintam.

  29. sou da familia rossato,sera que vierao outros rossato pro brasil.como saber minha origem help

  30. Olá!
    Fico feliz em ver essa publicação, bem como meu pai conta, sou bisneta do Serafim Trentin, neta do Jorge Trentin e filha do Mario Piovesan Trentin que reside em Linha Base, interior de Nova Palma. Parabéns pelo trabalho!

  31. Sou Isaias Hauch Fassini sou neto de Cassildes Trentin casada com Osvaldo Orestes Fassini e bisneto de Bortolo Felicio Trentin sou filho de Ernani Izaias Fassini e Alceni Hauch Fassini.
    No dia 21 de março de 2015, Cassildes e Osvaldo festejaram 60 anos de casados. Residimos em Jaboticaba-RS.
    Um abraço a todos os parentes Trentin

  32. Olá sou Claudiomiro Trentin, filho de Alzemiro Trentin, neto de Antonio Trentin, bisneto de Francisco Trentin e tataraneto de José Pacífico Trentin e Catarina Barone

  33. Meu nome é Pamela TRENTIN, sou filha de ANTONIO TRENTIN e ROSELIA ANANIAS TRENTIN, meus avós paternos eram SANTO DOMINGOS TRENTIN E HELENA BAVARESCO TRENTIN.

  34. olá.
    foi muito bom encontrar esse blog, onde eu pude conhecer um pouco mais sobre a família TRENTIN, sou neto de VITÓRIO TRENTIN.
    não sei quase nada sobre meus antepassados. o tempo todo me questionavam aonde que meu pai arranjou esse sobrenome tão diferente. diziam até que fora erro do cartório, eu acreditava nisso até um dia que digitei por brincadeira no google o sobrenome trentin, pensando que não haveria resposta e fiquei muito feliz pois, não foi um erro mas existimos.
    agora mais do que nunca quero saber mais sobre nossa história, para quando perguntarem eu vou ter o que falar.
    meus tios moram na cidade de Itapecerica da Serra- SP.
    Meu avô chama-se Vitório Trentin e minha avó Izabel Maria das Dores
    muito obrigado e abraços a todos.

  35. olá.
    Paulo Alves Trentin, filho de Maria Luiza Trentin;
    neto de Vitório trentin;
    bisneto de PRIMO TRENTIN E ELIZA MIRARO
    espero descobrir mais sobre a minha história.

  36. Sou Cleusa Fatima Trentin Carneiro(este último nome do falecido esposo)
    Sou filha de Jacob Trentin(falecido em setembro de 2014) e Ida Antonioli Trentin, neta de Mario Trentin. Nasci em Tapejara no RS em 13-05-58 e moro em Itajaí SC. Há anos estou tentando coletar dados da família para conhecer a origem. Caso alguém possa me ajudar, ficarei grata e feliz em conhecer outros integrantes de nossa família.
    Obrigada
    Cleusa Fatima Trentin

  37. Liceo,

    Legal resgatar a história da família, tenho bastante dados aqui, de uma parte da família que imigrou, e dividiu-se em São Simão, Altinópolis, Batatais, Brodowski e Ribeirão Preto (cidades de são paulo), e Londrina e Curitiba (cidades do paraná).

    Se me responder um e-mail posso te passar digitalizado as informações que tenho.

    Att,

  38. Meu nome é Valdêmio Trentin Gardin 2º filho de Antonio Gardin e Eliza Trentin Gardin. Nasci em Novo Paraiso, município de Julho de Castilhos ( Hoje Nova Palma) em 17/4/ 1939. Casado com Maria Cargnin. Tenho um casal de filhos,casados, 2 netos e uma neta. Em 1985 mudei-me de N. Palma para Sorriso, Mato Grosso onde trabalhamos em família com agricultura empresarial. Fiquei muito satisfeito e orgulhoso pela matéria que li. Parabéns. Conheci muito pouca gente dos meus parentes, pois quando morava no sul trabalhava em transporte de carga. Depois que mudei só voltei para minha terra natal enquanto meus pais estavam vivos. Meu email: valdemiogardin@brturbo.com.br
    Grande abraço a todos os parentes.

  39. oi meu nome e mateus trentin sou bisneto de joão trentin, e muito interessante saber mais sobre minha arvore genealógica, não sabia que tinha tantos parentes assim pelo mundo (:

  40. Olá, gostaria de receber informações sobre a relação dos nomes Trentin, Trentino, Trettin..
    Segundo meu avô seu nome foi registrado errado, o correto seria Trentin… Mas gostaria de saber se há realmente alguma relação ou verdade nisso

  41. Olá Carla! Existem sim várias alterações no sobrenome original que aconteceram por erros nos registros. Eu não tenho muitas informações de outras famílias pois meu bisavô veio meio sozinho para Nova Palma-RS. Outros Trentin, primos dele, ficaram na região de Taquara-RS, Rolante-RS e Igrejinha-RS.

  42. Sou da família Rossato, interessante saber sobre a história deste nome. Meu bisavó materno veio da Itália ainda jovem.

  43. Minha avó materna era Rossato, pelo que sei o pai dela veio ainda jovem da Italia e se radicou em Nova Palma-RS. A família é bastante grande e podes encontrar muitas informações no centro de estudos genealógicos de Nova Palma, infelizmente as informações não estão digitalizadas terás que ir pessoalmente lá, mas vale a pena com certeza.

  44. Olá, sou Anita Novello Trentin, casada com Jorge Trentin. Parabéns pelo belo trabalho feito por vocês. Sou apaixonada pela história familiar e já escrevi um livro sobre a família dos meus pais, Novello Bertin e Dallalba Zaupa. meu marido é filho de Angelo Trentin, neto de João Trentin e bisneto de José Trentin que era casado com Maria Ungaro. As informações que tenho são de que ele teria casado em São Francisco de Paula, Rio Grande do Sul. Porém a casa paroquial de lá queimou por volta de 1930 e assim os registros se perderam.
    Além do avô João Trentin que casou com Aurora Scariot, eles ainda tiveram os filhos: Madalena Trentin que casou com Pedro Rech, (e o que sei é a data do casamento e o nome de alguns filhos, mas nunca mais teve contato com a família. Casamento: 24/09/1913 os filhos João Rech – *26/07/1914 – Antonio Rech – *27/07/1915 – Anna Rech – *27/07/1915 – Rosa Maria Rech – * 24/10/1916 – Domingos Rech – * 22/10/1917 – Ângela Rech – *21/12/1918)
    Angela Trentin que casou com Secondo Bonato, Francisco Trentin casado com Cândida Sgaraboto e depois de ficar viúvo casou-se com Maria Bassanesi e Carlos Trentin que não foi encontrado nem um outro registro além do batizado. Se alguém souber alguma informação ficaria muito agradecida em recebe-la.

  45. Olá,tenho 17 anos e fico lisonjeado de fazer parte desta família.

  46. Mateus, meu marido é Jorge Trentin, Trineto de João Trentin e de Madalena Marcante. Procuro informações pois estou escrevendo a história da família Trentin. Ele é bisneto de José Trentin e Maria Ungaro. Até agora não encontrei ninguém que fosse bisneto de José Trentin e Maria Ungaro.

  47. Olá, Me Chamo Rafael Trentin Gnoato, Sou neto de Guerino Trentin e Otilía Maria Mosena Trentin; filho de Iria Maria Trentin Gnoato e Guerino Gnoato. Sou parte da familía, adoro meu sobrenome. Adorei descobrir esse trabalho. Sou parente do seu Luiz Trentin…mais informações e contatos via email…..rafael.trenttin77@gmail.com

  48. Boa Tarde a todos e parabens pelo trabalho e dedicacao.. Sou feliz e adoro ser um TRENTIN., moro em Sao Bernardo do Campo, Sao Paulo, meu avo ANTONIO TRENTIN chegou no Brasil com 9 anos de idade no navio ORIZZA 30 DE MAIO DE 1896 – porto do Rio de Janeiro, foi morar junto com seus irmaos no interior de SP (NICOLAO, ANNA,DOMENICO,MARIA, JOSEPHINA, TERESA E PRIMO), todos filhos de GIUSEPPE TRENTIN E LUISA (BISA) , devido a situacao na epoca de todos os imigrantes italianos poucos sao os documentos que sobreviveram ao tempo, Meu avo ANTONIO TRENTIN, casou com MARIA MALANDRINI , ele de Trento Italia ela de Vicenza, tiveram filhos (HORTENCIO TRENTIN, INES TRENTIN, JANDIRA , JOSE TRENTIN,DINA TRENTIN)..todos de SP e interior…. Abraco a todos

  49. Olá Catarina,apesar de não ter no nome o sobrenome trentin minha avó paterna é trentin,ela é neta do Maximiliano Trentin. Você pode enviar para o meu e-mail camilab_santos@hotmail.com a foto que tem da Maria Diperon com os filhos? Obrigada

  50. Olá Catarina, apesar de não ter no nome o sobrenome Trentin, minha avó paterna é neta de Maximiliano Trentin, você conseguiria me enviar para o e-mail camilab_santos@hotmail.com a foto que tem da Maria Diperon com os filhos? Obrigado.

  51. Ola Cleusa,
    Sou trisneto de Mario Trentin e Eugenia Valentin. Neste ponto estou buscando mais informacoes sobre eles para iniciar o processo de cidadania italiana.
    Caso sejamos parentes distantes ficaria muito feliz em conhecê-la!

  52. Olá! Eu quero saber se eles tinham qualquer relação com Ampelio Trentin nascidos em Malo Vicenza Itália, eu sou sua bisneta. filho de Luigi Trentin e Cecilia End. Muito obrigado !! sou argentina. Obera, Misiones

  53. Ola Linea! O conhecimento das famílias Trentin da Itália que tenho é limitado pois meu bisavô, Serafim Trentin, veio sozinho ainda jovem, com a mãe dele que já era viúva e não tinha contato com os parentes Trentin de la ha algum tempo. Fazem uns dez anos que descobri que vieram mais Trentins para o Brasil e ficaram na região do alto rio dos Sinos, Taquara, Rolante, Igrejinha dos quais descobri o nome de um patriarca Francisco, vindo da Itália com alguns primos que não descobri seus nomes.

  54. Ola, também sou Trentin, meus tataravós eram italianos, vieram da Itália ainda bem jovens e se instalaram no interior de São Paulo. O nome deles não lembro,pois meu avô sempre se referia aos nonos ao contar as historias… Eu só sei o nome de meu bisavô que era João Trentim, filho do meu tataravô. Quem sabe somos da mesma família de Trentin.

  55. Sou Celso Luiz Herold, filho de Claudina Trentin, filha de Jose Pacifico Trentin e Caterina Goroni, casada com Alfondo Herold. Meu email para contato é celsoluizherold@pannet.com.br.
    Mensagens pelo 051-9999500282. Resido em Encantado,RS

  56. Estou satisfeito de descobrir esta página que trata de meus parentes.Meus avos maternos são José Pacifico Trentin e Caternia Goroni ( me parece que não é Boroni), pelo que disse minha mãe, Claudina Trentin, a última filha de Jose Pacifico e Caterina.Não conheci meus avós maternos, mas a minha mãe me contou muitas histórias que ainda guardo e principalmente o nome de todos os filhos de Jose e Caterina, e com quem eram casados e profissões. Se alguém se interessar posso mandar. Meu email é , celsoluizherold@pannet.com.br, para mensagens, 0xx51 999950082. Aguardo

  57. Olá sou Tiago trentin de Jesus. Filho de teresinha Maria trentin. Neto de natalino trentin, ambos falecidos.meu bisavô c chamava Antônio trentin. Eles moravam em sobrado hoje. RS alguém dos trentin eram dessa localidade?

  58. Olá! Estou muito feliz em ter encontrado um site com tantas informações a respeito de nossos antepassados, parabéns pelo excelente trabalho.
    Estou buscando informações sobre meu tetravô Pedro Trentin que foi casado com Luiza Trentin.
    Não sei muito sobre linhagem, mas um de seus filhos meu tataravô se chamava Jacob Trentin e foi casado com Teresa Trentin.
    Meus avôs são da cidade de Rolante, então acredito que os antepassados sejam desta região. Se alguém tiver informações agradeço muito.

  59. Jéssica! Apesar de eu não ser parente próximo dos Trentin de Rolante, conheço alguns Trentin da localidade de Boa Esperança – Rolante.

  60. Boa tarde Celso!
    Meu nome é Salete, sou neta de Amélia Trentin, filha de Pacifico trentin e Catarina Goroni. Eu tenho interesse no que você possa compartilhar da nossa família, infelizmente quando a nona faleceu eu era ainda muito jovem…mas sempre tive muito interesse pela história da nossa família.
    meu e-mail: saletegfsantos@gmail.com

  61. Olá,
    Sou Bruno Trentini, meu bisavó é Angel Trentin Mani, nascido em Creazzo em 1860, parece que ele emigrou para o Brasil e depois foi para o Uruguai, onde foi legalizado como Trentini. O pai dele se chamava Angelo Trentin di Giuseppe e a mãe Antonia Mani. Estamos buscando informações do casamento dele se foi no Brasil ou no Uruguai pois ele morava na cidade de Rivera – fronteira Brasil -Uruguai.
    Meu e-mail é bruno_trentini91@hotmail.com

  62. Bom dia!
    Quem eram os pais e os avós de Osvaldo Orestes Fassini?

  63. O pai do Osvaldo avô do Isaías se chamava Ângelo Pio Isaías Jose Fassini e era casado com dona Olinda Fassini. No meu post http://liceobr.com/trentin/?p=148 aparece uma foto do casamento do tio Osvaldo com a tia Cacildes e ao lado dele estão os seus pais Ângelo e Olinda.

  64. Provavelmente estes de Boa Esperança são os meus parentes Liceo rsrsrs
    Um abraço

  65. O Angelo veio da Itália?
    Quem eram os pais de Angelo?

    Obrigado.

    Meu nonno veio de Bérgamo, Itália em 1888/89. Se chamava Antonio Fassini e meu Bisnono Francesco Fassini.

  66. Oi Emidia! Somos da Família. Netos de Zelindo Domingos Trentin e Verginia Florio Trentin, binetas de Luiz Trentin e Catarina Piazer, e tataranetas de Arcanjo Trentin e Joana Palmino Colmei Trentin, estes da Italia. Sou a Vera filha da Genira Trentin

  67. Q legal! !!!! Adorei a história! !! Sou Reginaldo Trentin….filho de Marino Trentin e Neto de José e Idalina Trentin !!!!!!! E sou de Pirituba São Paulo capital !!!!!

  68. eu sou osvaldo trentin neto do nono antonio benedito trentin e nona maria malandrin e faço parte da familia

  69. eu osvaldo trentin neto de antonio trentin e maria malandrini e filho de jose trentin e idalina desouza trentin morador de perus sp sou da familia dos trentin

  70. Bah, o Primo Joel me passou essa história e eu acabei perdendo, que bom que você fez essa página. Obrigado.
    Sou Jair João Trentin, filho de Valdair Uliana Trentin e Nilza Beatriz Corrêa, neto de João Trentin e Ângela Uliana Trentin, portanto, bisneto de Serafin Trentin e Rosa Librelotto.
    Estou tentando reunir material sobre o “braço” João/Ângela, por hora, só alguns relatos e algumas coisas da minha memória, quero ver se no próximo ano possa me dedicar mais e então ter algo de mais qualidade.

  71. Oi Jair.
    Eu conheço bem uma tia sua a Ana, acho que é a mais nova da família, que é casada com um primo meu o Antônio Piovesan. E mora em Jaboticaba, cuidamos aqui em casa de uma neta dela.

  72. Sim, Tia Ana e Tio Antônio, pessoas maravilhosas.
    *A Tia Ana não é a mais nova, depois dela ainda tem o Tio Aires e a Tia Rosa.

  73. O Angelo era o penúltimo filho do Francesco Fassini e Luigia Gusmarolli, que veio da Italia com todos os filhos e me parece que um ou dois já eram casados. O Ângelo nasceu no Brasil na região de Garibaldi, que na época pertencia à Estrela, já foram feitas algumas reuniões da Família de Francesco Fassini, duas delas foram na região de Colorado/RS e a última foi em Campo Bom em 2016, a próxima será em Colorado novamente em 28 de janeiro de 2018. O filho mais velho era Giovani e o segundo era Palmiro, o Ângelo era o décimo e depois dele veio o Antonio ainda.

  74. Olá sou do interior de São Paulo da cidade de Batatais (colônia Italiana) sou filho de Simone Trentin Martins, Neto de Roberto Trentin, bisneto de António Trentin e Tataraneto de Constantina Trentin imigrante italiana de nossa família em Batatais, nascida em 1902 e falecida aos 102 anos.

Deixe uma resposta